Passagens: o blog do Wanderley Geraldi

Na semana passada, desolado com o que estava acontecendo com a biblioteca de Nelly Novaes Coelho, lamentei aqui o descarte de um acervo que havia doado ao programa de pós-graduação da área, da UFES.

Tomei a providência de encaminhar o texto aqui publicado para o Prof. Dr. Luciano Vidon, com quem foi negociada a doação, e às Profas. Dras. Cláudia Gontijo e Cleonara Shwartz, que haviam acompanhado minha procura do acervo.

Foi com base na informação que recebi, quando no campus de Vitória, do colega Santinho, que escrevi sobre o descarte deste acervo. Afinal, eu procurava então uma tese de livre

A gaúcha Ana Mariano nos expõe, neste romance, diante do correr da vida numa estância do sul. Na geografia do romance, situada no município de São Borja, precisamente a cidade em que a autora viveu sua infância. Mas não importa se há algo de autobiográfico, porque todo romance é ficção entrelaçada com aportes do mundo real, e partes deste podem ter sido vividos pelo autor ou personagens da vida do autor. Pouco importa, já que a literatura criando um mundo não real nos auxilia a compreender o real.

A trama de Atado de Ervas tem um tema: a terra e a propriedade da terra, onde a vida campeira

Nota prévia

Inicialmente, as ideias aqui expostas foram a base de uma palestra no V Seminário Integrado de Língua e Literatura, realizado em Porto Alegre em outubro de 1989. Escrito logo a seguir, este texto teve duas publicações praticamente simultâneas: na revista Contexto & Educação (n. 16, out/dezembro de 1989) e Letras de Hoje (vo. 25, n. 1, março de 1990). Depois foi expandido em minha tese de doutorado, parte da qual foi publicada (Portos de Passagem, SP: Martins Fontes, 1991). Há muito tempo vinha criticando não os livros didáticos em si (participei da equipe de pesquisadores que elaborou, a pedido

Donald Trump está sendo um problema para os norte-americanos, até mesmo para a tal América dos fundos, esquecida e que pagou o preço do neoliberalismo que o império, secundado pela agora falida Inglaterra.

Pois não é que o cara chamou países latino-americanos e africanos de “países de merda”? Como desconhece por completo a história, jamais perceberá que seu país cresceu criando a merda, particularmente nas então chamadas “repúblicas das bananas”, que se cansaram de invadir para garantia dos lucros de seus exploradoras empresas!

Para garantir que não sejamos

A evocação serena, o apelo elevado à “Ordem e Progresso” – o signo ideológico pátrio nacional, emblema da bandeira do Brasil – pelos políticos e intelectuais do bloco ideológico conservador no poder, é uma ofensa criminosa aos brasileiros, uma humilhação pública à inteligência inocente e pura (ingênua?) das massas populares dóceis. Há uma demagogia deslavada, desavergonhada, embutida nas propagandas do governo federal, nos anúncios da mídia e nos discursos do golpista Temer, dos seus ministros, via de regra sem caráter ético e

Seja assinante

Cadastre seu e-mail e não perca nenhuma postagem do blog do Geraldi.
captcha 

Apoio Cultural

Sobre o Autor

wanderley João Wanderley Geraldi não precisa ser apresentado; quem ainda não o conheça, certamente o encontrará em sua formação. Mas é necessário dizer que o que aqui se faz é também consequência de sua militância na Educação em nosso país. É de sua obra paradigmática Portos de passagem, centrada na linguagem mas fundamental para a formação de professores e para o trabalho escolar, que pedimos emprestado o nome do Grupo. E é em sua presença com o blog Passagens que encontramos força e coragem, mas também rigor e coerência para os propósitos que temos. Nosso agradecimento e nossa homenagem a este grande linguista brasileiro.

Desenvolvido e hospedado por

g5559