Passagens: o blog do Wanderley Geraldi

Na atual política brasileira tudo é previsível quando a decisão cai nas mãos do Congresso, seja na casa dos senadores, seja na casa dos deputados. São casas deles, não são “casas do povo” já que a opinião do povo não vale nada. Nem a rejeição a Temer na estratosfera abala as certezas das decisões, sabidas desde sempre e para sempre. Apenas ficarão nos registros da história, para vergonha dos senadores e deputados. E estes usarão de seu poder de legislar para acharem brechas na “reforma política” para se eternizarem nos cargos através de

Os políticos parlamentares do Brasil podem cometer crimes e podem não ser condenados, nem punidos, nem  castigados pelos crimes que cometem. E como acontece isso? No primeiro plano – na escala e palco do Legislativo – os políticos parlamentares inventam e aprovam leis geniais e garantem nas leis o “foro privilegiado”. E por força legal e jurídica deste foro – lugar e papel político de venda de votos para aprovação de programas e projetos do Executivo – gozam da deliciosa e salvadora “imunidade parlamentar”. Simples, assim: parlamentares corruptos não podem  ser condenados,

O Ministério da Educação adverte. “Profissão professor” (por Cristina de Araújo)

O Ministério da Educação (MEC), em sua página no Facebook, publicou ontem uma homenagem ao professor.

Vejamos:

 

Deixando temporariamente à parte a ideia de que o professor é aquele que “molda o cidadão para os novos tempos”, a figura do cartaz colado no quadro-negro despertou minha atenção. Talvez pelo estranhamento de ver um quadro na vertical, ou por não encontrar um escrito à giz, ou ainda, por não entender a estratégia sintática da frase. Sei que essa sensação me conduziu a buscar no link indicado na postagem algo que fosse esclarecedor, e vi que se trata da

Neste dia do professor, peço licença para homenagear a Profa. ANA LÚCIA VIEIRA MENEZES, uma professora eternamente batalhadora. Conheci-a no ano de 1980. Logo, nos tornamos irmãos e assumi que sou o pai branco da minha Carol, filha sua.

Não foi minha professora, antes minha aluna, mas foi quem me ensinou a esperança e a necessidade da luta. Com ela aprendi, em 1981, um lema que necessariamente deveria estar no horizonte daqueles que trabalham com educação continuada: o necessário respeito ao saber-fazer do professor, a partir do qual uma caminhada outra se torna possível.

Pensar na Aninha, queiram ou

Este livro infanto-juvenil, escrito por Rudi Bohn, se apresenta como uma iniciação à filosofia, e pretende “o início de uma mudança”. Trata-se de uma aposta nas crianças e na reflexão a contrapelo das inúmeras e chamativas ideologizações patrocinadas pelo sistema, quer na família como unidade de consumo, quer na mídia como indústria cultural de formação das percepções de mundo, quer na escola em que circula o pensamento do vencedor (e sempre que o pensamento do vencido aparece, não faltam acusações de que se trata de reflexão

Seja assinante

Cadastre seu e-mail e não perca nenhuma postagem do blog do Geraldi.
captcha 

Apoio Cultural

Sobre o Autor

wanderley João Wanderley Geraldi não precisa ser apresentado; quem ainda não o conheça, certamente o encontrará em sua formação. Mas é necessário dizer que o que aqui se faz é também consequência de sua militância na Educação em nosso país. É de sua obra paradigmática Portos de passagem, centrada na linguagem mas fundamental para a formação de professores e para o trabalho escolar, que pedimos emprestado o nome do Grupo. E é em sua presença com o blog Passagens que encontramos força e coragem, mas também rigor e coerência para os propósitos que temos. Nosso agradecimento e nossa homenagem a este grande linguista brasileiro.

Desenvolvido e hospedado por

g5559