Passagens: o blog do Wanderley Geraldi

Creio, logo existo

Ergo a mão e ponho pontos no espaço

traço e fio a realidade que crio

ergo sum assim ungido

 

O mito se volta e vira

estátua de sal

só a crença é real

A verdade é onde não está

Mentira é o que não vivi

murmúrio do credo

que não aprendi

A crença é matemática:

serpente que em si mesma se enleia

e come a própria cauda

prova dos nove, tautologia

vício em círculo

alfabeto em que é escrito o universo

B é igual a C que é igual a A que é igual a B

ou o reverso

perante deus, todos iguais,

no inferno, no

Embora Walter Hugo Mãe não use letras maiúsculas em nenhuma circunstância e apenas dois sinais de pontuação (vírgula e ponto final), desta vez não vou “colar” meu texto a sua ortografia, como fiz quando comentei O Remorso de Baltazar Serapião.

Em O Apocalipse dos Trabalhadores, o autor nos conta uma história entrecruzada de duas mulheres-a-dias (entre nós, empregadas domésticas diaristas) e um operário ucraniano que, vindo de longe em busca de melhores condições de vida, encontra em Bragança (na região de  Trás-os-montes de Portugal) serviço

Corria uma investigação da Corregedoria da Universidade Federal de Santa Catarina a propósito da aplicação de verbas para a Educação à Distância (80 milhões). E na investigação, como é salutar em toda investigação, aqueles responsáveis pela gestão apresentavam sua argumentação, contraponto necessário a qualquer investigação (exceto para a lava jato e seus filhotes). Se uma investigação como esta chegasse a resultados, mesmo que indiciais, de presença de crime, seu relatório necessariamente sairia dos muros da

“Escrever é fácil: você começa com uma letra maiúscula e termina com um ponto final. No meio você coloca as ideias”. Pablo Neruda nos deixou esta dica genial, entre milhares de belas lições de vida e humanidade.

Hoje não vou escrever das barbáries da nossa política nojenta. Vou escrever de nós mesmos, pois todos temos uma história para contar e escrever. Mesmo que nossa existência ainda seja curta e breve, já é uma história. Contar a história de si é escrevê-la entre a primeira letra maiúscula até o ponto final. Embora o ponto final

A cada pesquisa de opinião, o golpista Michel Temer perde pontos em sua aprovação. Agora chegou a um patamar desconhecido na história: tem 3% de aprovação! E é com esta “popularidade” que o atual invasor (aqui sim, temos invasão e não ocupação) do Palácio do Planalto (onde não consegue dormir de medo de fantasmas...) vai realizando reformas profundas nas relações entre capital e trabalho (a Reforma Trabalhista e a terceirização indiscriminada), nas relações de solidariedade social (com o fim de programas que davam a todos uma garantia de

Seja assinante

Cadastre seu e-mail e não perca nenhuma postagem do blog do Geraldi.
captcha 

Apoio Cultural

Sobre o Autor

wanderley João Wanderley Geraldi não precisa ser apresentado; quem ainda não o conheça, certamente o encontrará em sua formação. Mas é necessário dizer que o que aqui se faz é também consequência de sua militância na Educação em nosso país. É de sua obra paradigmática Portos de passagem, centrada na linguagem mas fundamental para a formação de professores e para o trabalho escolar, que pedimos emprestado o nome do Grupo. E é em sua presença com o blog Passagens que encontramos força e coragem, mas também rigor e coerência para os propósitos que temos. Nosso agradecimento e nossa homenagem a este grande linguista brasileiro.

Desenvolvido e hospedado por

g5559